segunda-feira

Era o seu cão!

Dizem que os cães são parecidos com os seus donos. Tenho 3 filhos e já tive 3 cães. O Malibu era dele. O meu filho também vive "sempre numa boa" e em miúdo tinha uma certa "queda para a asneira", chegando a ser bastante criativo, tal como o seu cão!
Aqui num dos raros momentos em que foram "apanhados".
Hoje o que mais me dói é não ter estado presente quando ele perdeu o seu amigo de 4 patas. As irmãs também eram muito agarradas a este expressivo rafeiro que nos conquistou desde o primeiro dia e que tanto trabalho e preocupações nos deu (por vezes ainda escondo as bolachas, os chocolates, os caramelos e tudo o que sempre encontrava para nos roubar)! Talvez por isso mesmo a sua falta seja tão sentida. Talvez por olhar para a Dharma e sentir constantemente que está "incompleta". Dói saber que não estive presente nem para os meus filhos, nem para o Malibu. O que me alivia dessa dor é saber que a minha irmã esteve presente. Sermos muitos e presentes faz toda a diferença! Talvez por isso, eu e os meus irmãos, evitámos ter filhos únicos e vivemos todos no mesmo bairro, ou melhor, no mesmo quarteirão para nos termos uns aos outros nas nossas rotinas diárias! Talvez essa seja a razão pela qual de facto nunca me empenhei verdadeiramente em trocar a vida neste nosso bairro (uma pequena aldeia!) por uma vida a tempo inteiro "Entre a Serra e o Mar"!
 O Faísca, nosso primeiro cão, está na minha primeira manta de patchwork e talhado num pedaço de madeira pelo Zé.

O  Malibu saltou do diário gráfico do Zé para uma tela onde colocámos a sua chapa. Um dia terei também de traçá-lo com linhas e agulhas. Por agora não. Não quando sinto dor e até um certo misto de culpa/ revolta. Não quero revisitar, vezes sem conta, o "vazio" onde ecoa  perda e dor! Hoje escrevi apenas por ser a forma de falar comigo mesma. Ridículo?! Talvez sim, mas...
Terei de dar tempo para que a saudade se instale e com ela farei algo que me faça sorrir enquanto revivo os momentos brutais com que ele, o Malibu, o nosso cão, nos brindou em vida!
O  último registo de muitos, uns dias antes de irmos de férias.
 Quando não se aninhava na Dharma e quando o dono não estava no quarto, procurava as almofadas que fiz para as minhas filhas. (apesar da fraca qualidade das fotografias, quis guardá-las aqui para mim!)
No Campo ficava na gamela com a manta que lhe fiz.

sábado

Mar e passeios pela Ria Formosa

Praia do Barril
Parque Natural da Ria Formosa, a não perder o vídeo, clicando aqui!
Leituras entre mergulhos e braçadas
Um "salvamento"
Cores que me inspiram
As meadas são daqui!
Talvez com genes do nosso Picasso, o gato da família que pensava que era cão! Gostava de nos acompanhar até à praia, sim à praia do Barril!


Travessia para a praia da Fábrica. Regresso a pé. Ao fundo Cacela Velha
A malha por estes dias foi muito pouca, ainda assim fiz um quadrado (o 14°) para a manta "Por aí"!
O Verão é sempre tempo de reencontro!Falei pelos cotovelos e troquei ideias de malha com a minha amiga F, com quem sempre aprendo muito!
Matámos a saudade dos amigos do Norte não só na praia mas também com bons petiscos.
D' gusta
Feliz mas um pouco cansada, está na hora de retomar algumas rotinas e dar continuação à preparação do novo ano lectivo.

quarta-feira

Leitura e malha de bolso



No Verão e de férias a minha preferência vai para livros e projectos de bolso! Ontem comecei a ler, aconselhada pelos meus companheiros de praia, o único livro de bolso disponível, da Camilla Lackberg. Retomei, assim, a leitura de policias. Comecei também a seguir a nova série da Fox Crime, "Shetland" da escritora Ann Cleves. As paisagens são de tirar a respiração! Os trabalhos de malha também são uma fonte de inspiração. Ainda não foi este ano que consegui ir à Shetland Wool Week, mas fiquei com a certeza que não vou descansar enquanto não for!
Quanto a malha retomei os quadrados da manta "Por aí...", com os quais participo no KAL Vivid Blanket,  promovido pela Pia, do podcast Kammebornia
Inspiro-me e partilho o que ando a ler e o que tenho nas agulhas aqui!