quarta-feira

Serões de Inverno


Malha:
O "Céu de Inverno" faz parte dos meus últimos serões (a ver a nova série da FOXCrime, "Os mistérios de Miss Fisher"). Pensei em desmanchar e fazer com um tom mais escuro e contrastante, como tinha pensado inicialmente e se o tivesse feito não estaria preocupada com a quantidade de lã que tenho. Dada a necessidade  de o terminar até ao final da semana, resolvi não desmanchar, ficando um gorro mais "discreto". Está a ficar bem quentinho, pois todo ele é "duplo", sempre tecido com dois fios que cruzo em todas as malhas.
Sendo hoje quarta-feira, terei de esticar a minha tarde para dedicar algum tempo da malha às luvas para a minha irmã, participando assim no KAL "Time for UFOs"
Leitura:
Termino o serão a ler, mas já no conforto da cama!
Ainda estou muito no principio atendendo às 680 páginas deste policial, ainda assim as primeiras linhas de imediato prenderam-me "À Verdade sobre o caso Harry Quebert"! Em numerosas visitas à Bertrand, este livro chamou por mim. Sempre me fiz de surda atendendo ao peso com que tinha que contar na mala, onde tenho sempre um livro como companheiro das minhas agulhas (já para não falar na "consideração" que tenho pelas minhas cervicais!). Outro dia, não resisti e acabei por não recusar trazê-lo comigo. Por respeito com o livro não o corto ao meio, algo que a minha prima, companheira de interrail, fazia para não sobrecarregar a mochila e que me punha os cabelos em pé (agora até compreendo o vandalismo do acto, embora me custe aceitá-lo)! Estou a gostar imenso da escrita do Joel Dicker, consegue levar-me para "dentro" do enredo e sentir-me a circular entre as personagens, só falta mesmo começar a falar com elas. "A verdade sobre o caso Harry Quebert", por agora, tem apenas o defeito do peso das suas páginas.
quarta-feira o tempo de leitura e de partilha é aqui

segunda-feira

Filme e malha

Nas agulhas:
Iniciei o primeiro projecto de malha 2017, um gorro para mim (este vai ser o ano da "malha egoísta!). Na manhã de sábado foi a excitação de todos os começos! A dúvida do modelo a escolher, a selecção do fio, pensar nas cores, não só se combinam mas também dando-lhes um sentido, estudar as agulhas e até o melhor comprimento dos cabos. Hoje em dia já não dispenso a consulta do projecto no Ravelry, lendo as informações partilhadas e consultando os blogs associados ao modelo.   
As cores foram limitadas em função dos novelos que tinha em casa, participando assim no KAL #stashbusting2017, da Raquel. O castanho é a cor da terra que alimenta os bosques, o azul do céu de Inverno (espero que chegue!), o branco é do meu sonho, onde os meus passos quebram o silêncio e onde me perco na paz de um bosque vestido de neve.
Preciso de o tentar terminar até sexta-feira, para o passeio do próximo fim-de-semana. Vamos ver se consigo! Se não conseguir terminar será o projecto de Janeiro para partilhar no KAL,12 meses=12 projectos, da Maria Cenoura.
As primeiras voltas foram tecidas, durante o serão, em frente à televisão a ver o filme "Dancing At Lughasa" ("A dança das paixões de 1998, um filme com a Meryl Streep).
O filme em palavras soltas:
Irlanda, família, fair isle, malha, chá, trabalhos nas agulhas, irmãs, lareira, Donnegal, campo, ovelhas, professora, galinhas, artesanato/fábricas, piquenique, álbum de fotografias, à volta da mesa, memórias.

As fotografias são de domingo, um dia em que levei a malha literalmente a passear! 
Mais do passeio no meu "diário"  fotográfico.

quarta-feira

Preto no Branco

Malha:
Preto no branco*foi o nome que dei a estas luvas que estou a fazer para a minha irmã. Apesar de ser o branco que faz padrão no fundo preto, quis dar este nome ao meu projecto a fim de deixar bem claro (preto no branco) que a minha irmã é a melhor irmã, filha, neta, prima, tia que alguém pode ter! Tem um coração do tamanho do mundo, é de uma extrema sensibilidade e de uma generosidade sem fim, estando sempre presente para todos. Foi o melhor presente que os meus pais me deram, quando fiz seis anos. Sim, presente, fiz seis anos no dia 1 de Janeiro  e no dia 4 recebi a minha maninha de presente. Os meus irmãos já eram dois, mas eu estava sozinha no meu quarto. Claro que a nossa relação teve pontos altos e baixos, seis anos de diferença, quando eu era adolescente e ela uma criança, levou-nos a guerrear bastante no nosso quarto. Desde pequena que cresceu a adaptar-se aos outros, conquistando o seu lugar num grupo de 11 primos e de mais uns quantos "irmãos adotivos", todos ligeiramente mais velhos. Apesar de algumas barreiras que encontrou em virtude de ser a mais pequena, sempre tentou integrar-se nas nossas brincadeiras e jogos, tentando comportar-se "à altura"! Recordo-me de a ver brincar "às escondidas" com as bonecas, numa altura em que nós já as tínhamos colocado de parte. De meninas a mulheres, a distância dos anos que nos "separavam" esbateu-se, chegámos a um ponto de grande cumplicidade em que conseguimos comunicar apenas com uma troca de olhares. Para ela, que nunca diz que "não posso", "hoje não"...teço estas luvas há tempo demais! (se fosse ao contrário ela já as teria terminado!). Fiquei desmotivada porque a primeira luva não me correu bem, embora a minha irmã diga que "assim está bem"! 
Troca de posição da lã! Agora estou mais atenta!
Por todas as razões e mais algumas decidi que este seria o primeiro projecto inacabado que iria terminar este ano, para que as suas mãos não passem mais frio. A minha avó Nazareth sentindo as nossas mãos frias dizia: "Mãos frias, coração quente" (o provérbio: amor ardente, paixão para sempre), talvez por isso as suas mãos andem sempre geladas!

Leituras 
Continuando a falar da minha irmã, ela é aquilo que chamo a Dona de Casa ideal, tudo sempre limpo, arrumado e organizado. Para manter o seu nível de exigência, quando se viu obrigada a ganhar espaço, ofereceu-me uns quantos livros, o que me vai ajudar a economizar uns trocos para mais uma viagem! Ontem comecei a ler um dos livros que herdei,  "O Regresso a Madison County", a continuação das Pontes de Madison County, que simplesmente adorei bem como o filme com a grandiosa Meryl Streep (recomendo este vídeo, Golden Globes 2017) e o não menos espectacular Clint Eastwood.
Antes tinha estado a ler a minha última compra aproveitando as regalias de ser Leitor Bertrand"Um Conto de Inverno" de Trisha Ashley. Escrita simples sem preciosismos, enredo "leve", algo que muitos designam por um "romance de cordel", noutra altura talvez tivesse olhado para o livro e não lhe tivesse dado uma hipótese. Felizmente dei o que ajudou esta Sofia a andar nas limpezas (não como as da minha irmã!) e arrumações a par e passo com a Sophy, até os aspiradores eram da mesma marca (Dyson)! A Sophy é uma criativa com tecidos, fazendo patchwork e estas suas palavras podiam ser minhas.
"Com uma cintilante variedade de sedas de cores vivas e retalhos de cetim espalhada pelo tampo polido da mesa de costura, uma lareira, fingida mas alegre, (...) e Charlie (o cão) aos meus pés (ou mesmo em cima dos meus pés), sentia-me perfeitamente feliz".
Para quem não é exigente e até lê romances de cordel, recomendo, o importante é tirarmos prazer da leitura.

 * Modelo da Kate Davies aqui no Ravelry

às quartas feiras 

 A quarta feira passada foi o aniversário da minha irmã e, por isso, retomo as minhas partilhas no Yarn Along apenas hoje daí ter falado em dois livros.
As próximas quartas feira partilharei apenas projectos que tenho por acabar participando assim no"Time for UFOs" do grupo "Cenouras", da Maria Cenoura.

segunda-feira

Alinhei com as minhas linhas

Esta semana alinhei em vários desafios, mais conhecidos do Inglês por KALs (Knit-A-Long).
Dois são da Maria João, do grupo Cenouras. Num terei de dedicar parte das quartas-feiras a terminar projectos, "Time for UFOs" e, atendendo ao número de projectos que tenho por acabar e a vontade em os ver terminados, espero "limpar" rapidamente as minhas agulhas. Conto, junto com este KAL, continuar a participar no Yarn Along que é também às quartas-feiras e como tal alguns trabalhos serão partilhados em simultâneo com as minhas leituras. O outro KAL da Maria Cenoura é 12 meses = 12 projectos, algo que já faço há uns anos e que podem ver no cabeçalho do blogue "One Project a Month". O difícil não é concluir um projecto por mês, o difícil é ter de serem todos em malha, algo que no Verão não será muito viável, nem mesmo no Inverno atendendo que os modelos que quero fazer irão levar "horas a fio"! Inscrevi-me na mesma, apesar de ter dúvidas de o conseguir fazer, porque queria juntar-me à minha amiga Paula, do blogue B'arte.
O outro desafio foi lançado pela Raquel e veio mesmo a calhar bem, em defesa da economia familiar! Terei de trabalhar fios comprados até 2016, Stash Busting KAL Para isso estou a pensar finalmente tricotar um colete da Rowan com a lã que comprei na Ovelha Negra. Na minha última visita ao Porto também comprei Amélia para um casaco e mais Wollmeise para uma camisola  e tenho Olívia há já muito tempo para um modelo da Joji Locatelli. Tenho lã das Shetland para um modelo da Kate Davies, que adquiri em 2016 e lã do passeio pela Irlanda. Acho que tenho mais lã do que tempo, por isso mesmo não hesitei em me juntar ao KAL da Raquel.
Andei a pesquisar um Stich-a-Long, para bordar, aplicar e fazer mais um painel de patchwork, mas até à data nada encontrei! Aguardo o "mistério" da Quiltmania, deste ano e da Lynette Anderson e depois logo vejo o que vou fazer. Se alguém tiver conhecimento de algum stitch-a-long, agradeço que partilhe na caixa de comentários. 

domingo

Tempos de Mudança

2016 foi o ano das grandes conquistas das minhas filhas, por tabela ganhei dois filhos e espaços vazios em casa. No final do ano o meu filho mudou para um quarto maior e eu e o pai arranjámos uma salinha para os nossos passatempos. Só este fim-de-semana é que concluímos as mudanças, limpezas e arrumações. Podíamos ter levado menos tempo mas este é também um tempo de Festa e Celebrações.
Dia 25 de Dezembro Praia Grande//Praia das Maçãs
Passagem de Ano em casa dos Avós
Dia dos Reis, onde não faltou o Bolo Rainha e as tradicionais Româs
Lanche em casa da prima mais velha
Finalmente uma pausa permitiu-me passar por aqui, depois de muitas festas, algumas viroses familiares e muito trabalho.
Podia recomeçar com balanços e planos para 2017, mas não o vou fazer. Ainda assim partilho o meu objectivo para este ano: não deixar passar a vida a correr, o que deixa aquela sensação que tudo passa num instante e que nem "demos por nada"! Tentarei reter cada minuto de forma a aprisionar cada segundo para espremê-lo fortemente saboreando intensamente tudo o que de bom possa colher. Ao final do dia quero sentir-me grata e feliz pela forma como aproveitei uma das minhas 365 oportunidades para crescer, aprender, amadurecer, amar e ser feliz. Ambiciosa?! A minha ambição é o motor do meu empenho e a energia dessa engrenagem é a minha motivação.

quarta-feira

Peculiar deslumbramento


Leitura:
Fruto de um peculiar deslumbramento pelo mundo animal e vegetal, sofrendo de uma paixão genuína por agulhas, aliciada pelas ilustrações e fotografias, sou vítima de algumas ratoeiras e compro compulsivamente livros e publicações. Foi o caso das minhas últimas compras. A primeira foi o número 2, Fauna, "Making" (pensei demais e quando quis já não consegui comprar, na Europa, o número1, Flora), tendo já  a folheado, mas ainda não tive tempo para a ler. Do que vi esta publicação tem a minha cara! Encontrei as instruções para um esquilo, umas ovelhas da Nicole (podcaster The Gentle Knitter) para colorir mas que eu estou a pensar bordar, um artigo da Mary Jane Mucklestone onde reconheci a Sarah (podcaster Fiber Treck), animais do bosque para bordar, Butterfly e Cocoon da Susan B. Anderson , uma série de modelos de malha dos quais certamente farei a bolsa da Mary Jane e um xaile/estola, um projecto em Shibori e um saco que vou tentar fazer e talvez bordar um desenho deste livro, a minha segunda compra por impulso e que vi num episódio da Sarah (Podcaster Fiber Treck).
Não estou nada arrependida destas compras irreflectidas pois sei que, além do que estou a pensar fazer da Making, vou bordar muitos dos desenhos deste livro e talvez até adapte a algo maior! Apaixonada pela descoberta e exploração de materiais, sentindo a falta de um projecto que chegue e fique para durar, não tendo conseguido ainda desenvolver a minha ideia inicial em família, procuro incansavelmente um projecto que me acompanhe em 2017. Algo que conjugue bordado, com patchwork e aplicação de tecidos. Gostava de o fazer em grupo, um "Stitch-A-Long" como os que a Chookyblue costuma promover. Será que há por aí algum nesses moldes para 2017?!
O livro de cabeceira é o mesmo da Kate Morton, estou a adorar e tenho pena de estar à distância de poucas horas de o terminar.

Malha:
O meu deslumbramento pela vida de camponesa levou-me a colocar na lista de projectos o modelo da Susan B. Anderson das ovelhas mas contive-me, deixando para uma próxima vez e, aproveitando a promoção de Natal, apenas investi numas instruções para meias, já que tenho de fazer umas para ele. Quando terei tempo para tudo isto?! Não sei, sei apenas que tenho de segurar as rédeas a estas minhas paixões! O que vale é que, mais tarde ou mais cedo, acabo por justificar os meus "investimentos" fazendo alguns projectos. É o caso da malha que tenho nas agulhas, o "Cinza Glaciar", de um dos livros da Kate Davies, que levei muito tempo para comprar, mas que finalmente comprei e sem arrependimentos!
Estou a fazer o I-cord (muito interessante este texto) e o que tenho a dizer deste projecto é que é de construção fácil, com esta lã cresce rapidamente, mas o trabalho a cores tem intervalos de pontos muito grandes, o que me levou a fazer este modelo "cruzando" os fios em todos os pontos, tal como a Andrea explica aqui ao minuto 22 e, utilizando a mesma técnica, à medida que mudava a cor rematava o fio, algo que recomendo vivamente!
Em 2017, penso continuar a participar no Yarn Along, com este formato. Alguma sugestão? Talvez não escrever tanto, mas a minha cabeça tem estado ocupada com mil e uma ideias! O que me vale é o Bullet Journal para não entrar em parafuso.

domingo

Calendário do Advento


cortar e coser
Cortar os cantos e virar
A Madalena levou para a sua nova casa o Calendário do Advento que fiz com tecidos que ela escolheu na nossa viagem a Paris.
Para a Inês resolvi adaptar o calendário da Sew Sweet Violet. Talvez não fosse necessário comprar o esquema, até porque depois de ter feito os bolsos, não olhei mais para as instruções, no entanto foi uma forma de agradecer à Jooles pelas suas partilhas. Não entendo a lógica do "patreon" para os podcast de malha! Prefiro pagar por instruções/modelos das podcasters quando as quero apoiar. Já me perdi, voltando ao calendário do Advento, as instruções são claras e detalhadas, mas em termos de fotografias penso que algumas poderiam ser melhores para a construção dos bolsos, à semelhança dos livros japoneses, onde são tão claras que é possível fazermos qualquer projecto sem sabermos uma palavra de japonês.
Tinha todos os tecidos, até mesmo o de Natal que comprei numa promoção de Verão! A fita de viés fiz com este acessório.
Os bolsos são mais juntos e pequenos tendo obtido, tal como pretendia, um calendário mais pequeno.
Além dos corações nas terminações, acrescentei uma etiqueta em cada fita.
Em vez de carimbar estou a pensar bordar a ponto pé de flor os dias, mas por agora teve de ficar assim, pois já vamos no dia 4 de Dezembro. Será o presente do segundo domingo do Advento. Por tradição, desde que os meus filhos cresceram, recebem sempre algo no primeiro domingo do Advento, mas este ano estou a pensar ir dando ao longo de todos os domingos, finalizando com algo especial na noite de Natal. Uma árvore ou um presépio rodeados de pequenos e grandes embrulhos na Noite de Natal, aos olhos de uma criança é pura magia, mas quando eles crescem perde o  seu encanto e por isso vivemos o Advento como uma forma de preparação para uma noite de Natal mais serena e espiritual. Claro que na casa dos meus pais, com os mais pequenos da família, todos "acreditamos" no Pai Natal, que muito trabalha na Consoada, para o Menino Jesus.
Para terminar, se quiserem ver o Calendário terminado passem pelo blog da minha filha.

quinta-feira

Malha de Inverno

O "Cinza Glaciar" é um projecto verdadeiramente de Inverno, pelo menos feito com esta lã! É tão quente que dá para fazer sentindo o vento frio de Inverno a fustigar-nos. Não foi o caso, aqui na "minha" praia, que tanto gosto de Inverno, antes pelo contrário, tive de dar descanso às agulhas, despir o casaco e sentir este sol de Inverno. Se por um lado me soube bem, por outro lado atrasou o avanço no meu mar de projectos!
Aqui, entre a Serra e o Mar, somos frequentemente surpreendidos pelo tempo. A minha família açoriana diz que têm as 4 estações num só dia, aqui também temos. Talvez essa seja a razão da minha paixão por este lugar e a "culpa" seja simplesmente dos genes!

domingo

Pneus de ir aos morangos!

Por estrada 
Por um caminho
 E por "todo o terreno"!
Ele: "Isto não estava nada no programa!"
Eu: "Vamos ter de sair pela frente"
 A padeira, que por ali passava, não sossegou enquanto não arranjou alguém que nos resgatasse!
 Gente simples da terra, gosta sempre de ajudar e de muito falar, ingrediente que dá um gostinho especial às nossas histórias!
 Após 4 horas não desistimos de chegar ao nosso destino, rasgando terras alentejanas por estrada, tentámos recuperar algum tempo.
Blusão remendado a Boro
Finalmente alcançámos o nosso destino!
 Esperavam-nos mais 3.5km nada bons para "pneus de ir aos morangos"!
Já a ver as 24h de TT, ele improvisou faróis para a noite...
 ...eu fiz umas carreiras no ponche (ou poncho) Cinza Glaciar.
Hoje as minhas costas reclamam dizendo que não foram feitas para "desvios" a programas preestabelecidos!