sexta-feira

Aula de baínhas abertas

Unha de Princesa...
remate pela professora
 O lenço de namorados que a minha mãe fez para a minha irmã, serve-me de cábula para a sequência de cores, até porque estou a utilizar as suas linhas.

Professoras, mãe e filha, no final do dia invertem os papeis e são alunas juntamente com médicas, arquitectas, outras mães e filhas. Partilham vivências ao ritmo das agulhas que vão picando o linho. Surgem árvores da Vida de Castelo Branco, bainhas abertas, lenços de namorados, peças antigas recuperadas. Há quem arrisque e aposte na criatividade, conjugando bordados tradicionais numa diversidade de peças actuais. Há quem traga ilustres convidados, como Fernando Pessoa, como?! Bordando-o! Uma inspiração para mim.
O trabalho é individual mas todas damos sempre um palpite, uma dica, "Talvez este ponto! E que tal esta cor?!". No ar paira uma constante motivação! A linha deu um nó, reza-se "Santa Ana por aqui passou, e o nó levou". A uma aula destas ninguém falta, somos todas alunas empenhadas e assíduas, é um momento nosso!

"Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já têm a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos, que nos levam sempre aos mesmos lugares. É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos." 
Fernando Pessoa

5 comentários:

Naná disse...

Espero aprender isso em breve!

Maria Maria Arte disse...

Bom dia!

É um encanto seu blog, muito delicado e com imagens lindas. Já estou te seguindo.

Beijos...

Fátima.

http://mariamariarte.blogspot.com

SofiAlgarvia disse...

Sofia, esta arte eu não domino... mas gostava imenso de aprender, temos que falar sobre isto num próximo chá :)
bjns

Borboleta Serrana disse...

Obrigada Fátma.

Naná e Sofia este é dos trabalhos mais relaxantes que fiz ultimamente e é fácil! Claro que na parte mais "desinteressante" que foi preparar a toalha, fazendo o ajour a toda a volta e tirar fios dividi o trabalho com a minha mãe, tendo ela feito as partes piores!

davicaartes@gmail.com disse...

É sempre um enlevo para a alma ler as palavras do Sr. Fernando; ainda mais, e bordar o crivo.