sexta-feira

O meu amigo

O meu amigo vive na rua...
trocamos sorrisos todos os dias, meia dúzia de palavras e muita linguagem gestual.
O meu amigo tem expressão de quem está sempre bem com a vida.
O meu amigo um dia aprendeu português e disse-me no seu modo bem engraçado, despido de vergonha:
- 3 filhos, 3 "caus" (cães), Mulher feliz. - e rimos muito os dois.
O meu amigo continuou a aprender português e um dia disse-me:
- 3 "caus", muito passeio! Muitos "caus", todo o dia passear "caus"!- e rimos juntos outra vez.
O meu amigo viu-me sem o Faísca e perguntou-me ao seu jeito, gesticulando com os dedos :
- 2 "caus"! E o "tereceiro"?! gesticulando com os dedos
- Morreu, estava velhinho, cansado...doente.
- Ohh...muito comovido perguntou:
- Quantos anos tinha?!
- 13.
- "cau"  viveu só 13 "ianos". Pouco para nós, mas bom para "cau".
E com um ar apreensivo perguntou:
- Tem cemitério de "cau"?!
- Tem, mas o meu "Velhote" está na nossa terra, no campo.
Com um sorriso doce e meigo, de mãos no peito, com ar de alívio, tranquilo, disse-me ternamente:
- "Cau"  feliz! Viver com família feliz, comer, dormir, brincar. Vida boa! Agora estar na terra da família.
O meu amigo vive na rua, trocamos todos os dias sorrisos mas...
Não sei o nome do meu amigo, de onde vem, nem quantos anos tem,
mas sei que a minha rua é mais bonita desde que ele aqui chegou!

3 comentários:

Inês M. disse...

Adorei este seu post, porque também gosto muito deste nosso amigo :) É impressionante como há tão boas pessoas...

aqui pelo campo... disse...

olha...fiquei de lágrima no olho!!!!
Bom fim de semana Sofia!

Naná disse...

É de pessoas assim que o mundo precisava!