sexta-feira

Bordar

Para mim é mais o processo que me agrada, do que o produto final, embora adore ver a peça que idealizei acabada (não sou modesta, gosto mesmo do que faço!).
Costumava ser um processo solitário, mas agora é feito a dois, o que leva mais tempo. As fases do novo projecto, que tenho em mãos passou pela escolha do pano, uma saca antiga que foi descosida e transformada num caminho de mesa. Discutimos o tema a desenvolver. Ele trouxe folhas de plátano para desenhar. Eu escolhi os pontos e resolvi aprender cordão de S.Francisco e aplicar no contorno das folhas. 
Ele viu os azulejos que tanto gostei no Palácio da Vila ( situado na "minha" Serra) e de imediato sugeriu a substituição das folhas de plátano, por folhas de videira.
da net
fotografia do meu telemóvel
escola profissional de restauro
 Entretanto o novo Papa eleito tem o nome de Francisco. Pensei então, se  o saco veio do Casaínho, onde há vinhas, faz todo o sentido ter parras com cordão de S.Francisco e cachos de uvas, imagem que associo ao Cristianismo. Trocámos ideias e ele  decidiu esquiçar um desenho. As cores ainda estão em discussão. A videira está em perpétua mudança, quando veste as folhas de uma cor, as uvas mudam de tom. Foi aqui que não nos entendemos, até que decidimos que as nossas cores não têm de ser reais! Neste projecto até os pontos foram escolhidos a dois. Por isso gosto tanto do processo!
nota: Ambos temos formação científica, eu em biologia, ele em geologia. No desenho científico enquanto ele brilhava, eu era uma nódoa. Mas temos em comum a personalidade científica, somos curiosos, gostamos de experimentar. Eu com linhas ele com tintas. Somos persistentes e muito convictos!

2 comentários:

Madalena disse...

E a minha contribuição!? Não conta?! Ahahah! Acho que e óptimo projecto a 2

Borboleta Serrana disse...

Claro que conta;) O que seria de mim sem intermediária e serviço de entrega do material, porta à porta!