terça-feira

Em busca do dedal ideal

Das viagens guardo memórias e fotografias. Da minha Peregrinação a Santiago de Compostela, além das boas memórias guardo um dedal. Após anos a bordar sem dedal, deixei-me convencer pela minha Avó Teresa e agora já não passo sem ele.
Mas usava-o num "acto de fé", pois sempre me esteve largo.
Há uns dias herdei o dedal ideal, exactamente à minha medida, o dedal da minha Avó Teresa. Agora bordo, sempre que posso, com o seu bastidor e com o seu dedal.
Junto com o dedal, a minha Mãe ofereceu-me a Santa Teresinha, que eu tinha dado à minha Avó Teresa. Não fui eu que fiz, foi uma colega da minha Avó, que também foi colega da minha mãe e, no ano antes de se reformar, foi minha colega. Isto de ser professora por vezes chego a pensar que é uma questão não apenas de vocação, mas também de genes!
O seu a seu dono!
Por agora, o meu dedal ficará junto das minhas linhas, neste armário da DMC,que faz as minhas delícias!
Comprei-o na "minha" Serra, na loja "Trapos e Rendas".

3 comentários:

Crocheteando...momentos! disse...

Como gosto de borboletas...selecionei este blog para visitar sempre que possível!
Tenha um dia bem BOM!

vera sousa disse...

É sempre bom sentir-nos perto daqueles que gostamos e que já partiram. Espero um dia herdar a maquina de forrar botões que existia na retrosaria da minha avó. Dedal não sei usar, a minha avó pegava sempre no dela quando fazias as suas costuras mas devo sair à minha mãe porque também ela não se adapta ao objeto.
Ah...é lindissima a peça com a Stª Teresinha, muito delicada mesmo.
Beijinhos e boa semana...

Naná disse...

Ora aí está um acessório que não consigo ainda usar... apesar de ser bem útil!