domingo

Da Horta ao Pomar

A chuva nunca foi um obstáculo para nós. Ainda bem! Vivemos, assim, mais um dia entre amigos e família, na horta, no pomar e no jardim, revivendo a nossa adolescência, numa harmonia perfeita entre gerações.
Enquanto colocávamos a conversa em dia, fomos organizando o que cada um tinha levado, decidindo guardar para mais tarde o que dava para prevenir "fomes" inesperadas das crianças!
Esperava-nos um almoço com produtos naturais. Sopa com um sabor totalmente diferente,  chutney, de pêssego e amoras, cuscuz temperados com as aromáticas da horta e romã do pomar...Apenas as sobremesas, tinham sido levadas pelos "urbanos".
Durante o café dos adultos, fui explorar e colectar, com a minha afilhada Leonor, já que tinhamos sido desafiadas para uma "Varelinha Fall Gathering".
As mitenes da minha afilhada, para ver clique aqui


mitenes- instruções clique aqui
 À tarde, depois de uma introdução "Teórica", fomos a uma "aula prática" com o nosso amigo Pêpê.
Começámos pela Horta.

espinafres da Nova Zelândia
Na Agricultura Biológica, a competição entre a "bicharada" e o agricultor é muito menor do que numa agricultura "natural", e o agricultor sai, praticamente sempre, a ganhar! Aqui, numa agricultura natural, a "bicharada" é mais bem sucedida.


Figos para quem ainda conseguia comer, depois da "almoçarada"!
 Os mais novos seguiam à frente, coladinhos e atentos ao nosso "guia", a ponto do mais pequeno "cortar" caminho pisando as alfaces.



 Os adultos igualmente atentos, mas distantes do guia, com as galinhas a chamarem-lhes a atenção. Uns mais despreocupados com a chuva do que outros!

 Mais provas irrefutáveis de que tudo é 100% natural!
" - Quando chegarmos ao Natal, pouco restará das couves"
 Enquanto aprendíamos mais um pouco de "agricultura", éramos surpreendidos por odores intensos, nesta fertilidade húmida e cores  fantásticas!

 Visitámos, uma vez mais, a estufa.
 De momento com as "mesas" vazias, aguardando uma época mais favorável, em que fica coberta de alvéolos. Aqui tudo é a um ritmo diferente, quem dita as leis, quem manda no tempo, é a natureza. O agricultor respeita as regras que lhe são impostas e, pacientemente, aguarda luz verde, da mãe natureza, para avançar. Entretanto vai preparando o que pode, pesquisa e explora os produtos obtidos, fazendo experiências, aprendendo com tentativas e erros.

Seguimos para o Pomar, parcialmente destruído pelas vacas do campo vizinho, que um dia vieram às maçãs, ferindo as árvores.
"- Feitas as contas, qual foi o meu prejuízo?! Não sei dizer. Isto não tem preço!"
Ficaram intactas as árvores que as vacas desprezaram.


 No Pomar, saltou-nos à vista, uns "castiçais"  de alcachofra!
 Terminámos a "visita de estudo" no Jardim
 Um jardim que já se prepara para o Natal, embora vestido de tons outonais.



 A chuva acompanhou-nos toda a visita, a minha máquina fotográfica é a prova disso!


A distração dá nisto, lente com chuva!
Em casa fomos ver a última colheita que aguarda, na cozinha, um processo experimental  e de transformação.

 
  E na cozinha ficámos todo o resto do dia. "Já no tempo dos meus avós era assim, todos se juntavam aqui, à volta do fogo que os aquecia. Apesar da cozinha estar totalmente diferente, continua a ser a assoalhada preferida de todos."
Saímos da cozinha apenas para ir ver as crianças e os pré-adolescentes, a dançarem as nossas músicas neste palco improvisado, que lhes chamou a atenção mal chegaram, porque o Halloween está aí à porta (um pretexto que utilizaram para se mascararem, como se disso precisassem!).

Sobre as suas cabeças, também havia vestígios da actividade do casal, que trocou um dia a corrida da cidade pelo árduo trabalho do campo.
Num ambiente despreocupado e familiar, jantámos uma belíssima e enorme sopa, e "confortados" deixámos os mais novos transformarem a chaminé num palco de jogos de mímica.

Primeiro as crianças combinaram, em segredo, as suas representações. Desde filmes, personagens da Disney até à imitação dos adultos presentes. A tia Sofia foi fácil, entrou de mochila, desenrolou um novelo, pegou numas agulhas e começou a fazer malha!

Depois foi a vez dos adultos representarem, os pedidos dos mais novos.
Foi um dia em cheio! Eu terei de voltar com mais calma, para aprender o que preciso, com quem sabe, caso o projecto apresentado na minha Escola, seja aprovado. As distracções foram muitas, mas deu para anotar as informações mais importantes.

Sem comentários: