quinta-feira

Malha em português

A minha amiga Ana Paula, B'arte convidou-me a entrar numa troca de Natal, num grupo em português,  do Ravelry,  Tuga's knit. Foi com entusiasmo que aceitei o desafio e fui juntando, como quem monta um puzzle,  tudo o que me ocorria, português e que me levasse para "Mares nunca antes navegados", tema da nossa troca de Natal.
Era suposto fazer algo pela primeira vez, o que me levou a encomendar a Beiroa, em vez de ir à Retrosaria. Ainda bem que assim o fiz, só para ter a satisfação de me deliciar ao ver a encomenda.
Tricotei uma Gola Beiroa, feita com lã 100% portuguesa, de uma designer portuguesa, da qual ainda não tinha tricotado nenhuma peça. Pela primeira vez comecei e terminei uma gola em i-cord. Fiz um porta agulhas em burel, com alma portuguesa, em que coloquei um conjunto de 5 agulhas para fazer meias seguindo a tradição portuguesa das cinco agulhas:
"Somos cinco irmãs,
Todas iguais,
Uma anda nua,
A despir as mais."
in "Malhas Portuguesas", Rosa Pomar


Juntei uns peixes, pensando nos habitantes do mar e fio de arame, para marcadores. A cor, do fio para os marcadores e da lã, foi para satisfazer uma das cores favoritas da minha "vítima". Juntei um sabonete bem português, de leite de burra, para a bolsa da malha e uma meada de Beiroa, para um trabalho a fazer conjunto com a gola. Claro que não faltou um postal de Boas Festas, que me esqueci de fotografar, tal como o chá e as folhas que enviei, próprias para anotações de malha. Infelizmente, até hoje não faço a mínima ideia se a minha "vítima" gostou do que reuni, com tanto carinho, tendo sempre presente o tema "Por mares  nunca antes navegados" e o questionário a que cada uma de nós respondeu!
A minha filha fez de modelo, junto ao Mar, onde desagua o Rio das Maçãs. ("O nome da praia deve-se ao facto de o rio que ali vai desaguar ter corrido, em tempos, entre pomares de macieiras, pelo que a fruta, quando estava madura, caía na água e ia dar à praia.")
Em troca recebi este magnífico presente, que revela o carinho de alguém que perdeu tempo a consultar e pesquisar, para concluir o que mais me iria agradar, uma vez que, pelas respostas do questionário,  nunca teria chegado à conclusão que adoro bordar e que ando sempre com um projeto de meias para todo o lado. A gola é lindíssima, macia e confortável! Obrigada Dina, uma vez mais.
A ideia desta troca e do tema, penso que partiu da Marta, uma das moderadoras deste grupo em português no Ravelry. Para ela, uma vez mais, o meu obrigada!
Destacando o que se faz de bom, em português, na comunidade de tricotadeiras, começo pelos podcast da Fabi. Partilha projetos que me agradam, os podcasts não são muito longos e mantemos um diálogo agradável. Retomou, recentemente o ponto de cruz, outro dos meus passatempos favoritos. Num outro dia darei a minha opinião sobre as aulas da Amy Herzog, na Craftsy, tal como prometi à Fabi.
A propósito de podcast em português, a Cristina anunciou no último a partilha de um pacote de aulas de tricot para principiantes. Uma ideia bem simpática! Não sei como ela consegue ser uma pessoa tão calma, com tantos projetos inacabados! Quando uma vez disse que tinha mais de 50 wips, fiquei de boca aberta!
A Filipa Carneiro, a Nionoi, uma mulher do Norte,(gosto muito da alegria contagiante, da forma de ser e estar das mulheres do norte!) também tem aulas gratuitas no seu canal no Youtube.
A Joana Nossa, da Ovelha Negra, no Porto, também está sempre pronta a ajudar. No seu blogue tem um dicionário de pontos Inglês-Português, e quem tiver alguma dúvida, ela responde na caixa de comentários.
Blogues de malha em português, além dos que já partilhei, merecem referência o "Malha a Malha" , o da Isa "Uma Crafter Portuguesa com certeza" e o Dona Maria.
Na Linha de Sintra, podem sempre contar com a Maria Cenoura. Se não estou em erro, todas as noites de 6ªfeiras, abre as portas da sua loja, para encontros de Malha. Que bela forma de terminar a semana!
Lojas, na Linha de Cascais, onde podemos encontrar tricotadeiras experientes e bem simpáticas, a Luísa Ló, da Malhas e Companhia  e a sua amiga Sacha, da The Craft Company.
Em Lisboa, com o merecido destaque, temos a Rosa Pomar, na Retrosaria, com quem sempre muito podemos aprender!
Fica muito por dizer, mas hoje estou sem tempo, tenho de preparar o material para a minha aula de costura, com a Cláudia.

5 comentários:

Inês Sousa de Menezes disse...

Que bela modelo ahah

Ana Toscano disse...

Adoro ler o seu blog com o qual me identifico! Muitos parabéns pelos trabalhos, leituras e escrita. Sem dúvida um dos melhores. Bjs

Rosário disse...

Que pena a tua vítima não ter dito nada.
Não conhecia esta empresa e, por incrivel que pareça, nunca experimentei sabonete de leite de burra, acho que vou fazer uma encomenda para remediar essa falha :)
(e muito obrigada por mencionares o meu blog, que tem andado tão esquecido)

Naná disse...

A ideia da troca partiu da Carolina (Cmaga), mas o tema foi sugerido pela Marta ;)

Isa disse...

Obrigada pela menção Sofia ;) Sabonetes de leite de burra menos artesanais, mas também muito agradáveis há os da marca nacional confiança. Eu conheço porque são produzidos na fábrica da Ach Brito que é ao pé de mim. Enviei alguns para a minha "vítima" das trocas, aqui está a foto (que entretanto me esqueci de adicionar ao meu projecto): https://www.flickr.com/photos/91326368@N04/23477984986/in/dateposted/ É o azulinho, na loja de fábrica tem montes de aromas apetecíveis. É estranho como os produtos nacionais são tão pouco conhecidos, mesmo por parte dos portugueses.